Nesta primavera, as alergias, a estabilizar | Saúde

Pelo menos sete milhões de espanhóis sofrem polinosis, que é precisamente o nome científico que recebe a alergia, esse conjunto de sintomas (espirros, gotejamento nasal, coceira nos olhos) desatados pela chegada da polinização da primavera. Este ano, de acordo com os especialistas, as chuvas caídas durante o inverno e também as altas temperaturas anormais de fevereiro, fará com que os níveis de pólen em suspensão sejam muito elevados, situação que só poderia mudar se voltam a cair chuvas intensas ou o calor volta a disparar.

Se você é alérgico ao pólen, provavelmente, já estará preparado e com todo o seu arsenal para o ponto (lenços, nebulizadores, anti-histamínicos). Se você nunca tiver sofrido alergia (com sorte você) tenha em mente quais são os sintomas mais comuns das alergias mais comuns: Coceira na pele e nos olhos, espirros, gotejamento nasal, tosse e comichão na garganta, chiado no elpecho ao respirar. Se você sofre de algum destes sintomas, mesmo que sejam leves, é muito provável que vengasn produzidos pela polinosis.

De mal a pior

Qualquer pessoa minimamente observadora e, claro, os cientistas que investigam neste campo, é óbvio que a incidência de alergias a população cresce ano após ano.

De fato, os especialistas apontam que este ano se podem ver aumentados os casos de alergias em pacientes que, até então, jamais haviam sofrido com a doença: nossos corpos ganharam maior sensibilidade ao pólen da primavera. “A alergia a pólens de cipreste, ou banana de sombra era quase anedótica há duas décadas”, afirma o doutor Francisco Feio Brito, coordenador do Comitê de Aerobiología da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SEAIC). “Então afetava a 5% da população, mas hoje sofre a 40%”.

E tudo aponta para que a coisa vai mais: os cientistas não cabe dúvida de que a incidência de alergia é cada vez maior. De acordo com as estimativas mais otimistas sofre 20% da população espanhola, o dobro do que há uma década. E, segundo os especialistas, cerca de 20 anos sofrerão seus incômodos sintomas da metade da população.

O que você pode fazer

Se o pólen se mata, tenta passar o menor tempo possível fora de casa, principalmente entre abril e junho. Claro que o problema é que em algumas zonas de Portugal da zona de perigo se estende desde março até novembro.

O Ministério da Saúde oferece algumas dicas para combater as alergias ou atenuar o seu efeito:

  • Mantenha as janelas fechadas durante a noite para evitar que entre o pólen na casa. Se necessário, use ar condicionado que limpa, esfria e seca o ar.
  • Minimiza a atividade matinal porque, geralmente, o pólen é emitido entre as 5 e as 10 da manhã.
  • Feche as janelas do carro ao viajar.
  • Procura estar em interiores, quando a contagem de pólen seja alto.
  • Se você tomar algum medicamento contra a alergia, toma-o de forma regular e na dose recomendada.
  • Não se mediques mais do que o recomendado com o objetivo de diminuir os sintomas.
  • Não cortes o gramado ou fique perto quando recém-cortado; o corte do gramado mexe com o pólen.
  • Não quebras lençóis ou roupas a secar ao ar livre. O pólen é depositado nas roupas penduradas.

Onde há mais pólen?

Obviamente, a meteorologia influenciam decisivamente na distribuição e quantidade de pólen no ar. Se você conhece o seu alergia e quer estar informado a todo o momento como está o ar em sua cidade, você pode consultar o site do Comitê de Aerobiología da SEAIC (Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica). Aqui você vai encontrar mapas por comunidades autónomas com informações sobre todos os tipos de pólen e a sua presença no ar.

Você também pode baixar Polencontrol, uma app que vai lhe dar informações personalizadas de acordo com seus dados clínicos e a sua localização.

Esta utilísima aplicativo para smartphones informará os níveis de pólen na sua área e você será avisado quando se ultrapassam os limites de risco. É gratuito e você pode fazer com ela na App Store, no site do Comitê de Aerobiología (www.polenes.com) ou no da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (www.seaic.org).

E terminamos com uma bola extra. Cansado de espirrar uma e outra vez ao longo do dia? Para acabar com uma situação tão irritante (literal e figurativamente) basta seguir os três passos simples que você vai encontrar aqui mesmo: ‘Esqueça de congestionamento’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *